Notícias

Public call notice: Fake news and health dossier - Reciis v.14, n.1 - 2020/ Llamado público: dossier Fake news y salud – Reciis v.14, n.1 – 2020

 

The proliferation of fake news involves the controversial subject of journalistic authority, more specifically, the dominance of professional journalism systems over the totality process of news production. Historically, these professional systems have always lived with practices derived from popular culture, such as buzzes, rumors, and gossip. This brings to light the emergence of some 'isms' in journalistic practices: sensationalism (represented by the news on crimes), tabloidism, social columns, etc.

These issues become vital to the discussion about the presence, and the invasion, of outsiders at the frontiers of the professional community as they explore more recent phenomena such as 'video journalism', the real-time online news production, the denudation of productive routines previously inaccessible to the public, and an increased popularization of search engines and data collection and mining, as resources that eventually facilitated the dominion of the news process produced by dilettantes, parallel to the growth of the fake news phenomenon.

The analysis of the current context of news production shows us that this reality does not mean a possible 'death' of journalism, on the contrary, it symbolizes its expansion by calling into question the professional authority and the utilization of the social machine that manufactures and interprets events. Given this, the proliferation of blogs can also be seen as an example of outsiders' abilities to take over more institutionalized journalistic codes and conventions, making controlling news production increasingly difficult for professional journalism systems.

Thus, Reciis intends, with this dossier, to also contemplate the premise of the phenomenon of fake news associated with the circularity between the anarchic dimensions of the news process of social and digital networks along with the hierarchical and apparently organized character of traditional media. In order to promote the analysis of this zone of convergence and divergence that represents this communicative chain, we invite authors to discuss and analyze the fake news production and its multiple correlations with the health theme involving policies of 'self-care' (eating styles, body education, weight loss, etc.), health promotion (exercising, use of licit or illicit drugs, healthy body aesthetic standards, sex, etc.), and public policies (the More Doctors Program, vaccination campaigns, fighting tropical diseases such as dengue, chikungunya, etc.).

 

As a suggestion, we propose the following articulating axes for this call:

• Historicity of news production in relation to truthful ideas;

• Different discursive practices around true and false: rumors, buzzes, and fake news;

• Mediatization and mediation processes of fake news;

• Impacts of fake news on health sectors;

• Communication and information challenges in tackling fake news;

• Falsification as a demoralization strategy;

• Intersectionality between communication and health;

• Self-care policies in post-truth times;

• Circulation of fake news in health promotion;

• Policies and strategies to fight fake news in the health sector;

• Production of fake news in digital territories;

• Anti-science narratives;

• Speech, (dis) legitimation, and health.

 

Guest editors: Marco Roxo and Seane Melo

Deadline for Article Submission: December 2, 2019

Publication: March of 2020

 

Llamado público: dossier Fake news y salud – Reciis v.14, n.1 – 2020

La proliferación de noticias falsas involucra el controvertido tema de la autoridad periodística, pero específicamente el dominio de los sistemas profesionales del periodismo sobre la totalidad del proceso de producción de noticias. Históricamente, esos sistemas profesionales siempre convivieron con prácticas oriundas de la cultura popular, como rumores y chismes.  Como resultado, surgen algunos ‘ismos’ en las prácticas periodísticas: el sensacionalismo (representado por el noticiario de crímenes), el tabloidismo, las columnas sociales, etc.

Esas cuestiones son vitales para la discusión sobre la presencia y la invasión de outsiders en las fronteras de la comunidad profesional, al explorar fenómenos más recientes como el ‘video periodismo’, la producción de noticias online en tiempo real, la denudación de rutinas productivas antes inaccesibles al público y una mayor divulgación al dominio del proceso noticioso por diletantes paralelo al crecimiento del fenómeno de las noticias falsas.

El análisis del contexto actual de producción de la noticia nos muestra que esa realidad no significa una autoridad profesional y los usos de la máquina social de fabricación y de interpretación como un ejemplo de la capacidad de apropiación de los códigos y convenciones periodísticas más institucionalizadas por parte de outsiders, tornando el control de la producción noticiosa algo cada vez más difícil para los sistemas profesionales del periodismo.

Así, la Reciis pretende con ese dossier también contemplar la premisa del fenómeno de las fake news asociado a la circularidad entre las dimensiones anárquicas del proceso noticioso de las redes sociales y digitales en conjunto con el carácter jerárquico y aparentemente organizado de los medios tradicionales. A fin de promover el análisis de esa zona de convergencia y divergencia que representa esa cadena comunicativa, convidamos a los autores a discutir el análisis  de la producción de fake news y sus múltiples correlaciones con el tema salud, implicando las políticas del ‘cuidar de sí’ (formas de comer, educar el cuerpo, adelgazar etc.), de la promoción de la salud (práctica de ejercicios, uso de drogas lícitas o ilícitas, estándares estéticos del cuerpo saludable, sexo etc.) y de las políticas públicas (Más Médicos, campañas de vacunación, combate a las enfermedades tropicales como dengue, chikungunya etc.).

 

Como sugestión, proponemos los siguientes ejes articuladores para este llamado:

•             Historicidad de l_a producción de noticias en su relación con ideas de verdad;

•             Diferentes prácticas discursivas en torno de lo verdadero y lo falso: rumores, chismes y    fake news;

•             Procesos de mediatización y mediación de las fake news;

•             Impactos de las noticias falsas en los sectores de la salud;

•             Desafíos de la comunicación e información en el enfrentamiento de las fake news;

•             Falseamiento como estrategia de desmoralización;

•             Interseccionalidad entre comunicación y salud;

•             Las políticas de auto-cuidado en tiempos posteriores a la verdad;

•             Circulación de las fake news en la promoción de la salud;

•             Políticas y estrategias de combate a fake news en el campo de la salud;

•             Producción de fake news en los territorios digitales;

•             Narrativas anti-ciencia;

•             Discurso, (des)legitimación y salud.

 

Editores convidados: Marco Roxo y Seane Melo

Plazo de sumisión de artículos: hasta el día 02 de diciembre de 2019

Publicación: marzo de 2020

 

Texts that motivated the discussion:

Textos que motivaron la discusión:

 

Bock M. Citizen video journalists and authority in narrative: reviving the role of the witness. Journalism. [Internet]. 2011; 13(5):639-653. doi:10.1177/1464884911421703.

Boyd D. Did Media Literacy Backfire? Data & Society: Points. 2017 jan. 05. [citado em 2018 abr. 27]. Disponível em: https://points.datasociety.net/did-media-literacy-backfire-7418c084d88d.

Burroughs B.; Burroughs WJ. The Masal Bugduv hoax: football blogging and journalistic authority. New Media. 2011;14(3):476-491.

Caplan R. How do you deal with a problem like "fake news"?. Data & Society: Points. 2017 jan. 05. [citado 2018 abr. 18] Disponível em: https://points.datasociety.net/how-do-you-deal-with-a-problem-like-fakenews-80f9987988a9 

Carlson M. Order versus access: news search engines and the challenge to traditional journalistic roles. Media, Culture & Society. 2007; 29(6):1014-1030.

Karlsson M. The immediacy of online news, the visibility of journalistic processes and a restructuring of journalistic authority. Journalism. 2011; 12(3):279-295. doi: 10.1177/1464884910388223.

Nerone J. The historical roots of the normative model of journalism. Journalism. 2013; 14(4):446-458.

Rancière J. As novas razões da mentira. Folha de S.Paulo. Caderno Mais!. 2004 Ago. 22.

Sodré M., Paiva R. Informação e boato na rede. In: Silva G. et al., organizador. Jornalismo contemporâneo: figurações, impasses e perspectivas. Salvador: EDUFBA; 2011. Compós, 2011.

Zuckerman E. Fake news is a red herring. Deutsche Welle, 25/01/2017. [citado em 2018 abr. 27]. Disponível em: http://www.dw.com/en/fake-news-is-a-red-herring/a-37269377.

 
Publicado: 2019-10-22
 

Chamada de trabalhos: Fake News e Saúde é tema da primeira edição da Reciis de 2020

 

Até o dia 02 de dezembro é o prazo de submissão de trabalhos inéditos para o dossiê Fake News e Saúde da Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde (Reciis). O periódico científico é editado pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict/Fiocruz) e a publicação está prevista para março de 2020.

 
Publicado: 2019-10-11 Mais...
 

Chamada pública: dossiê Fake news e saúde – Reciis v.14, n.1 - 2020

 

A proliferação de notícias falsas envolve o controverso tema da autoridade jornalística, mais especificamente o domínio dos sistemas profissionais de jornalismo sobre a totalidade do processo de produção noticiosa. Historicamente, esses sistemas profissionais sempre conviveram com práticas oriundas da cultura popular, como boatos, rumores e fofocas.  Com isso, vem à tona o surgimento de alguns ‘ismos’ nas práticas jornalísticas: o sensacionalismo (representado pelo noticiário de crimes), o tabloidismo, as colunas sociais etc.

Essas questões tornam-se vitais para a discussão sobre a presença, e a invasão, de outsiders nas fronteiras da comunidade profissional, ao explorarem fenômenos mais recentes como o ‘videojornalismo’, a produção de notícias online em tempo real, o desnudamento de rotinas produtivas antes inacessíveis ao público e uma maior popularização dos mecanismos de busca, de coleta e mineração de dados, recursos que acabaram por facilitar o domínio do processo noticioso por diletantes paralelo ao crescimento do fenômeno das notícias falsas.

A análise do contexto atual de produção da notícia nos mostra que essa realidade não significa uma possível ‘morte’ do jornalismo, pelo contrário, simboliza a sua expansão, ao colocar em questão a autoridade profissional e os usos da máquina social de fabricação e de interpretação dos acontecimentos. Em vista disso, a proliferação de blogs pode ser vista também como um exemplo da capacidade de apropriação dos códigos e convenções jornalísticas mais institucionalizadas por parte de outsiders, tornando o controle da produção noticiosa algo cada vez mais difícil para os sistemas profissionais do jornalismo.

Assim, a Reciis pretende com esse dossiê também contemplar a premissa do fenômeno das fake news associado à circularidade entre as dimensões anárquicas do processo noticioso das redes sociais e digitais em conjunto com o caráter hierárquico e aparentemente organizado das mídias tradicionais. A fim de promover a análise dessa zona de convergência e divergência que representa essa cadeia comunicativa, convidamos os autores à discussão e à análise da produção de fake news e suas múltiplas correlações com o tema saúde, envolvendo as políticas do ‘cuidar de si’ (formas de comer, educar o corpo, emagrecer etc.), da promoção da saúde (prática de exercícios, uso de drogas lícitas ou ilícitas, padrões estéticos do corpo saudável, sexo etc.) e das políticas públicas (Mais Médicos, campanhas de vacinação, combate às doenças tropicais como dengue, chikungunya etc.).

 

 

Como sugestão, propomos, para esta chamada, os seguintes eixos articuladores:

 

  • Historicidade da produção noticiosa em sua relação com ideias de verdade;
  • Diferentes práticas discursivas em torno do verdadeiro e do falso: rumores, boatos e fake news;
  • Processos de midiatização e mediação das fake news;
  • Impactos das notícias falsas nos setores da saúde;
  • Desafios da comunicação e informação no enfretamento das fake news;
  • Falseamento como estratégia de desmoralização;
  • Interseccionalidade entre comunicação e saúde;
  • As políticas do cuidar de si em tempos de pós-verdade;
  • Circularização das fake news na promoção da saúde;
  • Políticas e estratégias de combate a fake news no campo da saúde;
  • Produção de fake news nos territórios digitais;
  • Narrativas anticiência;
  • Discurso, (des)legitimação e saúde.

 

 

 

Editores convidados: Marco Roxo e Seane Melo

Prazo de submissão de artigos: até o dia 02 de dezembro de 2019

Publicação: março de 2020

 

Textos que motivaram a discussão:

Bock M. Citizen video journalists and authority in narrative: reviving the role of the witness. Journalism. [Internet]. 2011; 13(5):639-653. doi:10.1177/1464884911421703.

 

Boyd D. Did Media Literacy Backfire? Data & Society: Points. 2017 jan. 05. [citado em 2018 abr. 27]. Disponível em: https://points.datasociety.net/did-media-literacy-backfire-7418c084d88d.

 

Burroughs B.; Burroughs WJ. The Masal Bugduv hoax: football blogging and journalistic authority. New Media. 2011;14(3):476-491.

 

Caplan R. How do you deal with a problem like "fake news"?. Data & Society: Points. 2017 jan. 05. [citado 2018 abr. 18] Disponível em: https://points.datasociety.net/how-do-you-deal-with-a-problem-like-fakenews-80f9987988a9.

 

Carlson M. Order versus access: news search engines and the challenge to traditional journalistic roles. Media, Culture & Society. 2007; 29(6):1014-1030.

 

Karlsson M. The immediacy of online news, the visibility of journalistic processes and a restructuring of journalistic authority. Journalism. 2011; 12(3):279-295. doi: 10.1177/1464884910388223.

 

Nerone J. The historical roots of the normative model of journalism. Journalism. 2013; 14(4):446-458.

 

Rancière J. As novas razões da mentira. Folha de S.Paulo. Caderno Mais!. 2004 Ago. 22.

 

Sodré M., Paiva R. Informação e boato na rede. In: Silva G. et al., organizador. Jornalismo contemporâneo: figurações, impasses e perspectivas. Salvador: EDUFBA; 2011. Compós, 2011.

 

Zuckerman E. Fake news is a red herring. Deutsche Welle, 25/01/2017. [citado em 2018 abr. 27]. Disponível em: http://www.dw.com/en/fake-news-is-a-red-herring/a-37269377.

 
Publicado: 2019-10-11 Mais...
 

Prorrogação de prazo para o envio de trabalhos - Dossiê Saúde, etnicidades e diversidade cultural

 

Novo prazo de submissão vai até o dia 26 de agosto

O prazo para submissão de artigos inéditos para o dossiê Saúde, etnicidades e diversidade cultural: comunicação, territórios e resistência da Reciis foi prorrogado. A nova data é até o dia 26 de agosto. 


 
Publicado: 2019-08-14 Mais...
 

Reciis lança chamada pública para dossiê Saúde, etnicidades e diversidade cultural

 

Até o dia 12 de agosto é o prazo de submissão de artigos originais e inéditos para o dossiê Saúde, etnicidades e diversidade cultural: comunicação, territórios e resistências da Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde (Reciis). O periódico científico é editado pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (Icict) da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A publicação está prevista para dezembro.

 
Publicado: 2019-06-12 Mais...
 

Chamada Pública - Saúde, etnicidades e diversidade cultural: comunicação, territórios e resistências

 

Os marcos constitucionais de 1988 fortaleceram a luta histórica de diversos grupos por seus direitos territoriais e socioculturais e a construção de políticas públicas de saúde específicas no Brasil. Neste momento, quando muitas dessas conquistas são ameaçadas por questões estruturais e conjunturais como o racismo, a intolerância religiosa, a desvalorização das pautas sociais e a prevalência do viés econômico na tomada de decisões, é necessário retomar que persistem no país expressivas iniquidades em saúde entre diferentes grupos étnicos. Essas iniquidades têm ganhado maior visibilidade tanto pela inclusão das variáveis de raça/cor nos sistemas de informação quanto pelo uso de diferentes estratégias de comunicação.

Essas questões são extremamente relevantes no contexto da recente comemoração dos 70 anos da Declaração de Direitos Humanos e de construção da Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável, das Nações Unidas — cujos objetivos e metas apontam para a garantia de que todos os seres humanos possam realizar o seu potencial em dignidade e igualdade, em um ambiente saudável — e se articulam diretamente à luta pela democratização da comunicação, essencial para efetivação do direito à saúde e para a defesa da democracia.

Esse dossiê pretende contribuir com o debate que relaciona comunicação, saúde e etnicidade, propondo um diálogo horizontal entre campos de conhecimento diversos como história, antropologia, geografia, epidemiologia, direito, demografia, entre outros. O que se busca são contribuições multidisciplinares que discutam a determinação social da saúde dos diferentes grupos étnicos e as relações existentes entre suas condições de saúde, suas possibilidades comunicativas e a efetivação de políticas públicas. Consideramos particularmente relevantes perspectivas que articulem o direito à comunicação, às lutas por território e às estratégias de resistências desses grupos. 

 

 Como sugestão, propomos, para esta chamada, os seguintes eixos articuladores: 

 

- Etnicidade como lugar de fala: poderes, resistências e problemáticas;

- Dinâmica dos processos históricos, identitários, demográficos e de saúde-doença-cuidado de populações tradicionais, incluindo povos indígenas, ribeirinhos e quilombolas;

- Direito à saúde como direito à terra: tensões e conflitos na demarcação de terras indígenas e de quilombolas;

- Políticas públicas do pertencimento cultural, de direito à diversidade e combate ao racismo, como políticas de ação afirmativa e processos de reparação;

- (In)visibilidade social, epidemiológica e midiática e sua repercussão na condução de políticas públicas;

- Avaliação e análise crítica de políticas de saúde direcionadas a grupos étnicos e estratégias de fortalecimento da sua participação e protagonismo;

- Democratização da comunicação como determinante da saúde: garantindo o direito à voz e à escuta de indivíduos e grupos sociais; 

- Determinantes estruturais relacionadas ao racismo, intolerância religiosa, discursos de ódio e discriminação de grupos étnicos, em suas articulações com os campos da comunicação e da saúde;

- Processos de comunicação, mediações culturais e estratégias de resistência na construção do pertencimento identitário, do direito à diferença e no combate ao racismo;

- Novas tecnologias e plataformas de comunicação e seu potencial para promoção da diversidade e do respeito às diferenças;

- Mídia, discurso de ódio e racismo estrutural nas redes sociais online;

- Comunicação e informação na manutenção/enfrentamento do racismo institucional;

- Intolerância religiosa, evangelização e outras violências no campo midiático: o discurso hegemônico dos meios e as práticas contra-hegemônicas;

- Sistemas de informação em saúde e evidenciamento das desigualdades sociais entre grupos étnicos;

- O respeito à consulta prévia informada e a participação dos povos tradicionais no uso, gestão e conservação de seus territórios;

 

Editores responsáveis: Adriano De Lavor e Ana Lúcia Pontes

Prazo para submissão de artigos: até o dia 12 de agosto de 2019.

Publicação: dezembro de 2019.

 
Publicado: 2019-06-12
 

40 ANOS DE MOVIMENTO LGBT NO BRASIL: COMUNICAÇÃO, SAÚDE E DIREITOS HUMANOS

 

Reciis prorroga até o dia 8 de fevereiro o prazo para submissão de trabalhos sobre diversidade sexual e de gênero.

Até o dia 08 de fevereiro! Este é o novo prazo para pesquisadores desta temática submeterem trabalhos ao dossiê 40 anos de Movimento LGBT no Brasil: Comunicação, Saúde e Direitos Humanos na Revista Eletrônica de Comunicação, Informação e Inovação em Saúde (RECIIS), editada pelo Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde (ICICT) da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ). A prorrogação se deve aos problemas de rede na Fiocruz ocorrido nos últimos dias.

De acordo com o editor convidado para o dossiê, Vinicius Ferreira, refletir sobre as questões relacionadas à diversidade sexual e de gênero na história passa fortemente pelo campo da saúde, principalmente, nas definições sobre o que é doença. “No início do século XX havia um discurso que incorporava os homossexuais e as dissidências sexuais como desvio e como doença mental. No entanto, a partir da segunda metade do século, pesquisadores, movimentos e sociedade contribuíram para tirar as diferenças sexuais e de gênero do lugar da doença”, destaca.

Vinicius ressalta, porém, que a discussão de gênero se inscreve num campo em constante disputas. Com grande participação do movimento LGBT, houve um avanço no tratamento HIV/AIDS na saúde pública, “mas é preciso melhorarmos o acolhimento das pessoas trans no SUS, por exemplo”. Numa perspectiva social mais ampla, na qual a saúde se insere, Vinicius destaca que os tabus e mitos sociais ainda baseados em dogmas religiosos e preceitos morais impossibilitam a qualidade de vida da população LGBT.

A RECIIS é um periódico interdisciplinar trimestral de acesso aberto, revisado por pares e sem ônus para o autor. Publica textos inéditos e em fluxo contínuo de interesse para as áreas de comunicação, informação e saúde, em português, inglês ou espanhol.

Vinicius Ferreira é jornalista pela Universidade Federal do Piauí (UFPI), mestre e doutorando em Comunicação e Cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ). Desenvolve pesquisas sobre história do jornalismo, gênero, imprensa homossexual. Organizou o livro "Estudos em gênero: uma perspectiva multidisciplinar" (com Thiago Silveira e Socorro Baptista). 

Para dúvidas e mais informações: reciis@icict.fiocruz.br ou pelo messenger da nossa página do facebook: https://www.facebook.com/ReciisIcictFiocruz/

 

 
Publicado: 2019-06-12
 

Chamada Pública - Dossiê 40 ANOS DE MOVIMENTO LGBT NO BRASIL: COMUNICAÇÃO, SAÚDE E DIREITOS HUMANO

 

O movimento LGBT organizado comemorou em 2018, 40 anos de atuação no Brasil. A historiografia consolidou como marco fundador da militância homossexual no país a criação do grupo Somos - Grupo de Afirmação Homossexual, em 1978. O movimento em defesa dos direitos LGBT surgiu como um ato de resistência em plena ditadura militar, marcada pela repressão e por ideais conservadores.

O dossiê, ao comemorar os 40 anos do movimento LGBT brasileiro, pretende reunir trabalhos que rememorem criticamente os marcos temporais desta história. Buscamos promover o debate acerca dos acontecimentos do passado para ajudar a refletir sobre os desafios do presente. Convidamos, assim, os autores interessados, a enviarem artigos que articulem a história do movimento com aspectos do campo da comunicação, da saúde e dos direitos humanos. 

Como sugestão, propomos, para esta chamada, os seguintes eixos articuladores: 

  • A formação e a transformação do movimento LGBT no Brasil
  • O impacto da HIV/AIDS e os novos desafios pós-coquetel
  • Imprensa Homossexual
  • Grupos Militantes, Associações e ONGs de ação LGBT
  • Cultura midiática e personalidades LGBT
  • Estratégias e produtos comunicacionais para o engajamento político em torno de causas LGBT
  • Invisibilidades e apagamentos
  • Violência e crimes de ódio contra a população LGBT
  • Comunicação e narrativas públicas de empoderamento
  • Despatologização e descriminalização das identidades de gênero e orientação sexual
  • Atendimento no SUS a população LGBT
  • Travestis e Transsexuais: o acesso ao ensino e o ingresso no mercado de trabalho
  • Interseccionalidade

 

Editor convidado: Vinícius Ferreira (UFRJ)

Prazo para submissão de artigos: até 8 de Fevereiro de 2019

Publicação: junho de 2019

 

 
Publicado: 2019-06-12
 

APOIO

 

 
Publicado: 2014-03-18
 
1 a 9 de 9 itens