Travestis e organizações: o papel da comunicação na construção de espaços organizacionais

Guilherme Lopes Teixeira, Maria Eugênia Porém

Resumo


Este artigo tem como objetivo provocar reflexões sobre o papel da comunicação na inclusão de travestis no ambiente organizacional. Parte-se do pressuposto de que as organizações são um espaço marcado pela discriminação e preconceito contra outras identidades que não sejam a do homem, branco, cisgênero e heterossexual. Utilizou-se pesquisa conceitual, de caráter bibliográfico e interpretativo, norteada por estudos de comunicação e de gênero. Considerando a visão da comunicação como fator de humanização, este ensaio resulta em uma reflexão acerca do potencial transformador da comunicação e da necessidade do comunicador atual promover espaços de diálogo e inclusão nas organizações. Como conclusão, optou-se por apresentar um esboço de diretrizes para a criação de um ambiente preparado para receber a travesti, para valorizá-la e reconhecê-la como indivíduo e também como parte de um todo.


Palavras-chave


Gênero; Travestis; Inserção profissional; Organizações; Comunicação; Inclusão.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v13i2.1704

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil