Entre o consultório e o terreiro: mediações, ruídos e silenciamentos nos itinerários terapêuticos de adeptos do candomblé

Clarice Moreira Portugal

Resumo


O presente artigo tem por objetivo discutir os aspectos infocomunicacionais concernentes à relação que adeptos do candomblé estabelecem com serviços de saúde públicos e privados. A metodologia centrouse na realização de onze entrevistas semiestruturadas com iniciados e não-iniciados (mas participantes do terreiro), baseadas na aplicação do instrumento McGill MINI Narrativa de Adoecimento. Os dados coletados foram submetidos à análise de conteúdo. Verificaram-se significativa valorização dos serviços médicos e formas peculiares de apropriação do discurso dos especialistas por parte dos entrevistados. No entanto, sua busca por atendimento nesses espaços é marcada por relações por vezes negligentes e que menosprezam o sofrimento descrito pelo usuário e sua perspectiva religiosa. Assim, parece importante abrir condições de possibilidade para que essa dimensão seja abordada não como um diagnóstico, mas como um fator intrínseco à experiência de sofrimento, que deve ser alvo de reconhecimento por parte do profissional de saúde.


Palavras-chave


Candomblé; Religião e ciência; Saúde Coletiva; Cobertura de serviços de saúde; Relação médico-paciente; Entrevista; Conhecimento; Itinerário terapêutico.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v10i1.955

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil