Apropriação e compartilhamento – estudo das redes de sentido da saúde a partir do programa Globo Repórter

Nadja Maria Souza Araújo, Inesita Soares de Araújo

Resumo


 O trabalho apresenta resultados de uma pesquisa de mestrado que estudou redes de compartilhamento de informações sobre saúde que as pessoas estabelecem após sua recepção de fontes midiáticas, tomando especificamente o Programa Globo Repórter. Tendo como foco a noção de promoção da saúde, comparou as concepções midiáticas com as das instituições do Sistema Único de Saúde. Trabalhando-se com quatro grupos socialmente distintos, dois do Rio de Janeiro (RJ) e dois de Aracaju (SE), foram traçados mapas das fontes e fluxos da comunicação recebida sobre temas de saúde (mercados simbólicos) e desenhadas redes de compartilhamento dessa informação. Os resultados apontaram que a concepção de promoção da saúde dos programas televisivos é comportamentalista e individualizante, não leva em conta as condições de vida dos indivíduos e coletivos e discrepa dos conceitos das instituições de saúde, mas não de sua prática. Os mapas mostraram que, apesar da centralidade da mídia, outras instituições concorrem pelos sentidos da saúde. A audiência se apodera desse discurso de acordo com seus contextos e repertórios e compartilha estes sentidos, compondo uma rede semiótica com possibilidades infinitas de desdobramentos.


Palavras-chave


Comunicação e saúde; Mídia e saúde; Globo Repórter; Pesquisa em comunicação e saúde; Estudos de recepção

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3395/reciis.v6i4.626

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil