Comunicação da ciência: (r)evolução ou crise?

Marynice Medeiros Matos Autran, Maria Manuel Borges

Resumo


O paradigma tecnológico, a crise dos periódicos, a criação do arXiv e a realização das 3B (Budapeste, Berlin, Bethesda) são fatores fundamentais para as alterações provocadas nos modos de produção e comunicação da ciência. Neste trabalho apresenta-se uma revisão da literatura sobre a problemática, com enfoque na via verde (repositórios). Propõe como objetivo geral analisar as consequências provocadas pela crise que afeta o sistema de comunicação. Para alcançar tal fim, determina-se como objetivos específicos: verificar as consequências advindas desses fatores; investigar a adoção da via verde como alternativa ao modo tradicional de comunicação da ciência; identificar a evolução dos repositórios e os tipos mais comumente utilizados e, finalmente, identificar os atores que se beneficiam do Open Access. Os repositórios constituem um instrumento para o compartilhamento irrestrito do conhecimento produzido, beneficiam inúmeros atores e instituições e se apresentam como alternativa para os países em desenvolvimento terem maior acesso à informação e, ao mesmo tempo, tornar a ciência ali produzida disponível para a comunidade interessada. Conclui-se que as transformações ocorridas no sistema tradicional de comunicação da ciência revelam a emergência de um novo paradigma - o Open Access.

 


Palavras-chave


Palavras-chave: Comunicação da Ciência; Acesso Aberto; Repositórios

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3395/reciis.v8i2.621

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil