Sobre a produção da sociabilidade capitalista: o discurso sobre trabalho, comunicação e participação nos manuais dos agentes comunitários de saúde1

Carla Macedo Martins, Anakeila de Barros Stauffer

Resumo


O artigo enfoca os manuais e guias produzidos no Brasil dirigidos a agentes comunitários de saúde. Partimos da hipótese que estes materiais contribuem na produção da sociabilidade contemporânea, ao funcionarem como espaço político-discursivo de constituição de sujeitos como trabalhadores, como participantes da “sociedade civil/comunidade” e como cidadãos, sob a lógica do capital. A análise, de caráter preliminar, considera os materiais à luz da abordagem do discurso de matriz marxista, buscando identificar, nestes, a produção discursivo-ideológica das concepções de trabalho (comunitário), participação e comunicação. O artigo aponta ainda que tais concepções podem se vincular, por sua vez, a discursos hegemônicos sobre a relação entre “Estado” e “sociedade civil/comunidade”. A análise corrobora, assim, a hipótese mencionada, indicando como manuais e guias de saúde atuam na afirmação de formas de comunicação, na naturalização de sentidos sobre “ser trabalhador” e ser cidadão participante, e na legitimação das políticas públicas de saúde em curso.

Palavras-chave


análise de discurso marxista; manuais de saúde; agente comunitário de saúde; políticas de comunicação e saúde; material didático.

Texto completo:

PDF

Referências


BOTO, C. Aprender a ler entre cartilhas: civilidade, civilização e civismo pelas lentes do livro

didático. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 493-511, dec. 2004.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1990.

BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. O trabalho do agente comunitário de saúde. Brasília:

Ministério da Saúde, 2000.

______. Ministério da Saúde. Guia prático do agente comunitário de saúde. Brasília:

Ministério da Saúde, 2009.

CECCHIN, C.; CUNHA, M. T. S. Tenha Modos! Educação e Sociabilidades em Manuais de

Civilidade e Etiqueta (1900 – 1960). X Simpósio Internacional Processo Civilizador. São

Paulo: Unicamp, 2007.

CHOPPIN, A. Les manuels scolaires: histoire et actualité. Paris: Hachette Education, 1992.

______. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Educação e

Pesquisa, São Paulo, v. 30, n. 3, p. 549-566, dec. 2004.

COUTINHO, C. N. A democracia na batalha das idéias e nas lutas políticas do Brasil de hoje.

In: FÁVERO, O.; SEMERARO, G. Democracia e Construção do Público no Pensamento

Educacional Brasileiro. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CUNHA, Marize Bastos da e FRIGOTTO, Gaudêncio. O trabalho em espiral: uma análise do

processo de trabalho dos educadores em saúde nas favelas do Rio de Janeiro. Interface –

Comunicação, Saúde, Educação [online], vol.14, n.35, p. 811-823, out./dez. 2010. [doi:

1590/S1414-32832010005000028].

DURÃO, A.; MOROSINI, M.; CARVALHO, V. Os agentes comunitários de saúde e o conceito de

comunidade na configuração de sua qualificação. In: VIEIRA, M. (org). Para além da

comunidade: trabalho e qualificação dos agentes comunitários de saúde. Rio de Janeiro:

EPSJV/Fiocruz, 2011.

FAIRCLOUGH, N. A Análise Crítica do Discurso e a mercantilização do discurso público: as

universidades. In: MAGALHÃES, C. M. (org). Reflexões sobre a Análise Crítica do

Discurso. Belo Horizonte: FALE-UFMG, 2001. p. 31-82.

JARDIM, T.A.; LANCMAN, S. Aspectos subjetivos de viver e trabalhar na mesma comunidade: a

realidade vivida pelo agente comunitário de saúde. Interface – Comunicação, Saúde,

Educação, vol.13, n.28, p.123-35, jan./mar. 2009. [doi: 10.1590/S1414-

.

LINDENMEYER, L. Trabalho e formação em comunicação e saúde: análise discursivoideológica

dos manuais sobre emergências e desastres produzidos por organismos

internacionais, 2011. Dissertação (Mestrado em Educação Profissional em Saúde) – Escola

Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro.

MARTINS, C. Informação e comunicação como problemas: notas sobre o trabalho lingüístico

dos agentes comunitários de saúde. In: MARTINS, C. e STAUFFER, A. B. (org.) Educação e

saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007, p. 125-158.

MENDONÇA, S. R. de. Sociedade civil em Gramsci: venturas e desventuras de um conceito. VII

Simpósio Nacional Estado Poder Sociedade Civil, 2012, Uberlândia. Disponível em:

http://www.historia.uff.br/estadoepoder/7snep/docs/001.pdf. Acesso em: 25 out. 2012.

MENDONÇA, M. H. M. Profissionalização e Regulação da Atividade do Agente Comunitário de

Saúde no Contexto da Reforma Sanitária. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 2,

n. 2, p. 353-365, nov. 2004.

MÉSZAROS, I. A Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005.

MOROSINI, M. Educação e trabalho em disputa no SUS: a política de formação dos

agentes comunitários de saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2010.

ORLANDI, E. História das idéias lingüísticas: construção do saber metalingüístico e

constituição da língua nacional. Campinas: Pontes, Cáceres: Unemat, 2001.

PEREIRA, R. da C. Política de língua nos manuais de publicidade. Ciberlegenda, Niterói, n. 10,

SANI, G. Participação Política. In: BOBBIO, N.; MATTEUCCI, N. e PASQUINO, G. Dicionário de

Política. Brasília: Editora Universidade de Brasília: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de

São Paulo, 2004.

SILVA, J. A. e DALMASO, A.S. W. O Agente Comunitário de Saúde: o ser, o saber, o fazer.

Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002.

STAUFFER, A. B. Concepções de educação e livro didático: dialogando sobre suas relações na

formação do agente comunitário de saúde. In: MARTINS, C. e STAUFFER, A. B. (org.)

Educação e saúde. Rio de Janeiro: EPSJV/Fiocruz, 2007, p. 159-191.

STAUFFER, A. B. e MARTINS, C. M. A historicidade do livro didático: das “cartinhas”

moralizadoras às possibilidades discursivas. Anais do II Seminário Nacional de Estudos da

Linguagem: diversidade, ensino e linguagem. (cd-rom). Cascavel: Unioeste, 2010.

STEPHAN, B. G. (s/d). Cuerpos de la nación: cartografias disciplinarias. Disponivel em:

http://gupea.ub.gu.se/bitstream/2077/3213/2/anales_2_gonzalez.pdf. Acesso em: 16 de

junho de 2011.

STEPHANOU, M. Bem viver em regras: urbanidade e civilidade em manuais de saúde.

Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 10, n. 1, 2006, p. 35-44.

WOOD, E. Democracia contra capitalismo: a renovação do materialismo histórico. São

Paulo: Boitempo, 2003.




DOI: http://dx.doi.org/10.3395/reciis.v6i4.582

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil