Da comunicação da informação à produção do significado como estratégia para promoção do direito da saúde

Ivo Quaranta

Resumo


O tema da comunicação no âmbito da saúde é colocado em discussão como uma estratégia que dificilmente promove o direito à saúde de pacientes e usuários, pelo fracasso em considerar a perspectiva destes ou por não considerar as circunstâncias socioeconômicas em que vivem, as quais contribuem na produção da doença e do sofrimento. Baseada em uma abordagem antropológica, a comunicação será repensada como um processo de produção participativa do significado da realidade, capaz de promover uma reformulação da experiência da doença, permitindo também a identificação de possíveis formas de intervenção social capazes de suportar uma tal reformulação da experiência. Ao introduzir o conceito de direito ao significado como base para a identificação de outros direitos, promove-se também o conceito de eficácia terapêutica, que será reconsiderado em termos de transformação, mas não apenas em termos de possíveis transformações no plano anatomo-fisiológico que as técnicas de intervenção biomédica podem realizar, não apenas em termos de transformações nos relacionamentos de sentido que a relação de cuidado focada no direito ao significado pode promover, mas também em termos de uma transformação nas relações sociais em que os pacientes estão envolvidos.

Palavras chave: Relação médico-paciente; comunicação em saúde; antropologia médica, eficácia terapêutica, desigualdade em saúde.


Palavras-chave


Relação médico-paciente; comunicação em saúde; antropologia médica, eficácia terapêutica, desigualdade em saúde.

Texto completo:

PDF PDF EN (English)


DOI: https://doi.org/10.3395/reciis.v6i2.525

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil