Ebola e a mídia

Telma Abdalla de Oliveira Cardoso, Marli Brito Moreira de Albuquerque Navarro

Resumo


A alta letalidade do vírus Ebola não é nenhuma novidade. As epidemias da doença que se verificam em países africanos refletem tragédias periódicas. Outros surtos ocorreram, foram noticiados e posteriormente esquecidos pela mídia, embora o vírus tenha continuado ativo. A manifestação atual do Ebola expressa um impacto que é apresentado pela mídia como ameaça à humanidade, contribuindo para propagar na sociedade apreensões e o medo. Cabe, aos especialistas do campo da saúde pública, elaborar informações dirigidas à sociedade que sejam capazes de dimensionar o risco e as possibilidades do controle do mesmo, sobretudo através dos recursos oferecidos pela pesquisa científica, pela biossegurança e pela articulação global de políticas de saúde.

 

Informações do artigo

Submetido: 11/set/2014 Aceito: 11/set/2014

Conflitos de interesse: Não houve nenhum tipo de conflito de interesse.

Fontes de financiamento: Não houve

Contribuição autoral: Os autores participaram igualmente em todas as fases da elaboração do artigo


Palavras-chave


Vírus Ebola; Meios de comunicação; Saúde pública; Biossegurança

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.3395/reciis.v8i3.443

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil