Gênero e política: igualdade de gênero e diversidade sexual na crise da democracia

Flávia Biroli

Resumo


“A questão que atravessa tudo que faço são as disputas em torno do próprio sentido da democracia”. Assim, a pesquisadora Flávia Biroli compreende sua trajetória na ciência. Em entrevista à Reciis, comenta sobre suas pesquisas que perpassaram a interface comunicação e política e seus estudos mais recentes sobre gênero e democracia. Biroli discute o que denomina de neoconservadorismo, que se dá por alianças de diferentes atores conservadores de escala transnacional as quais atuam contra as agendas de igualdade de gênero e diversidade sexual. Tais ações se utilizam da dimensão moral e de valores tradicionais ‘de família’ como justificativas para a promoção de processos de erosão da democracia. Em relação aos feminismos, entende que, tanto na expressão acadêmica quanto na expressão política, o diagnóstico interseccional das opressões de gênero é central para a compreensão e para solidariedades sociais e resistências políticas. Em contexto de pandemia, Biroli discorre sobre seus efeitos nas mulheres, mais responsabilizadas pelas práticas do cuidado. Para a pesquisadora, pensar nos modos de organização social que levam em conta relações de dependência e vulnerabilidade é também pensar na constituição de uma sociedade mais justa e sustentável. Flávia Biroli é professora associada do Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília (UnB).


Palavras-chave


Democracia; Gêneros; Política; Cuidado; Feminismos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v15i3.2447

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil