Desastre da mineração em Barcarena, Pará e cobertura midiática: diferenças de duração e direcionamentos de escuta

Rosane Albino Steinbrenner, Guilherme Guerreiro Neto, Pedro Loureiro de Bragança, Edna Maria Ramos de Castro

Resumo


O artigo objetiva analisar a cobertura midiática do desastre socioambiental ocorrido em 2018, em Barcarena, no Pará, e discutir tanto as diferenças entre a duração do desastre (prolongada) e a duração da cobertura (concentrada), quanto os direcionamentos de escuta entre a repercussão de eventos gerados por vozes ofiiais/institucionais e a presença/ausência de vozes populares de comunidades e movimentos sociais. Como resultado, apresenta três momentos de análise dos dados coletados em clipping nacional ao longo de oito meses: uma análise quantitativa da frequência da cobertura indicando alcance e duração da visibilidade midiática; um recorte quanti-quali apontando como a mídia agenda e promove enquadramento por meio das fontes acionadas na produção da notícia; e uma análise qualitativa, na perspectiva decolonial, de como aparecem na cobertura do desastre as vozes historicamente silenciadas. Para compreender o desastre como processo, busca-se antes situar o contexto da mineração na Amazônia a partir do aporte da Ecologia Política.


Palavras-chave


Desastre; Mineração; Barcarena; Cobertura midiática; Ecologia Política; Perspectiva decolonial.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i2.2063

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil