Fake news colocam a vida em risco: a polêmica da campanha de vacinação contra a febre amarela no Brasil

Adriana Teixeira, Rogério Da Costa Santos

Resumo


Este artigo faz a leitura das notícias falsas que circulam conteúdo sobre saúde pública em redes digitais e aplicativos de troca de mensagens. Para enumerar os argumentos utilizados pelos divulgadores de fake news na disputa pela enunciação da verdade, no campo do discurso, os autores escolheram a campanha de vacinação contra a febre amarela, lançada em um surto da doença no Brasil, no fial de 2016. Selecionamos os textos de posts e áudios que se multiplicaram no WhatsApp, especifiamente no ano de 2018, para a análise ancorada nas teses sobre produção de verdade e poder de Michel Foucault e de Nikolas Rose. Iniciamos, assim, uma reflxão sobre a ação das fake news em defesa da vida e que, ao mesmo tempo, colocam a vida em risco. A Organização Mundial da Saúde já aponta as fake news como uma das responsáveis pela baixa nos níveis internacionais de imunização.


Palavras-chave


Fake news; Saúde; Comunicação; Biopolítica; Febre amarela; Vacinação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i1.1979

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil