Sangue e fígado: a persistência das imagens simbólicas sobre a lepra a partir do mito do Papa-Figo

Andriolli Costa

Resumo


Este artigo volta-se para os processos simbólicos que, frente à iminência do adoecimento e da morte, fazem emergir no imaginário poderosas narrativas que se dinamizam em mitos. Elege, para isso, as imagens simbólicas sobre a lepra que circundam o mito do Papa-Figo – criatura fantástica, ele é representado por ricos e poderosos que, contaminados, fariam de tudo para recuperar sua saúde; inclusive consumir vísceras de crianças sequestradas. Em um percurso sincrônico e diacrônico, relacionamos relatos históricos e folclóricos com narrativas contemporâneas: vídeos de exploração à casa da 'viúva Papa-Figo'. Nesta leitura simbólica, exploramos a recorrência dos símbolos de sangue, fígado, poço, poder, dinheiro e de um Outro misterioso, mostrando que o medo da doença e suas consequências físicas e sociais nos movimentam arquetipicamente, despertando relações ancestrais que nos conectam com o plano da experiência humana.

Palavras-chave


Imaginário; Mito; Lepra; Folclore; Símbolo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v14i2.1896

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil