Salutarismo e medicalização da vida cotidiana

Robert Crawford

Resumo


Este artigo trata de algumas implicações da nova consciência de saúde e seus movimentos – de saúde holística e autocuidado – para a definição e solução de problemas relacionados à ‘saúde’. O salutarismo representa um modo particular de considerar o problema da saúde e é característico desse novo tipo de consciência e de seus movimentos. Ele pode ser melhor entendido como uma forma de medicalização, no sentido de que ainda retém noções-chave da medicina. Assim como a medicina, o salutarismo situa o problema da saúde e da doença no nível do indivíduo, e as soluções são elaboradas no plano individual. Na medida em que o salutarismo dá contornos a crenças populares, continuaremos a ter uma concepção e estratégias de promoção de saúde apolíticas, e, portanto, sem efeitos. Além disso, ao conceder à saúde um estatuto de supervalor, uma metáfora para tudo o que há de bom na vida, o salutarismo reforça a privatização da luta por generalização do bem-estar.


Palavras-chave


Medicalização; Autocuidado; Bem-estar.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v13i1.1775

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil