Dilemas da visualidade jornalística das violências contra pessoas LGBTQ+ e contra mulheres heterossexuais no Brasil

Bruno Souza Leal, Carlos Camargos Mendonça

Resumo


Nos textos jornalísticos, chama a atenção a diferença entre as imagens de casos de violência contra a mulher e as contra pessoas LGBTQ+. Tratando-se das pessoas LGBTQ+, as imagens costumam ser brutais, com exposição de sangue e de corpos feridos por armas diversas. Já a cobertura de casos de violência contra a mulher é diametralmente oposta: as imagens tendem a ser pouco contundentes, muitas vezes mostrando paisagens de lugares onde ocorreram os crimes, em alguns momentos mostrando os rostos de agressores e vítimas e nunca cenas de sangue ou corpos com marcas de agressão. Neste artigo, tomamos a instabilidade textual como ponto de partida para refletirmos sobre o contraste entre os modos de tratamento jornalístico no Brasil conferidos a essas duas violências e o que impacta no entendimento acerca das relações que conformam a visualidade e a cultura visual.


Palavras-chave


Violência; LGBTQ+; Mulheres; Cultura visual; Jornalismo; Minorias sexuais e de gênero; Gênero.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v13i2.1707

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil