Campanhas educativas de controle do tabagismo: do vício moral ao estilo de vida saudável

Ester Cristina Machado Ruas, Ana Paula Goulart Ribeiro

Resumo


Este artigo é resultado do trabalho de pesquisa sobre a produção das campanhas antitabagistas de governo e sobre a forma com que foram apropriados pela população. Nosso objetivo foi avaliar como essas campanhas foram pensadas em relação aos princípios de comunicação e saúde pressupostos pelo Sistema Único de Saúde. A expectativa foi problematizar a questão numa perspectiva interdisciplinar. Analisamos documentos a partir dos preceitos teóricos e metodológicos da Semiologia dos Discursos Sociais. Concluiu-se que foram criadas campanhas alarmistas, pautadas na imputação do medo e na vigília moral, que acabaram por se distanciar da ideia de uma comunicação em saúde pública dialógica, informativa e participativa.


Palavras-chave


Campanha; Tabagismo; Saúde; Comunicação; Vigília moral.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v13i4.1629

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil