Qualidade da informação da idade nos registros de óbito no Brasil, 1996-2015

Fatima Valéria Lima Jacques, José Henrique Costa Monteiro-da-Silva, Raphael Mendonça Guimarães

Resumo


Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa que teve como objetivo analisar a qualidade da declaração da idade nos registros de óbito no Brasil, de 1996 a 2015. Foi realizada uma análise por ‘idade simples’ dos microdados de óbitos no Brasil no período mencionado. A preferência por dígitos terminais 0 e 5 foi avaliada usando o índice de Whipple (IW). Já a preferência pelos dígitos terminais de 0 a 9 foi expressa usando o método de Myers (IM). A qualidade dos dados de idade foi alta no período [IWtot = 0,55 – 0,83 (masculino) e 0,71 – 0,93 (feminino); IM = 0,388 – 1,004 (masculino) e 0,430 – 1,589 (feminino)]. A qualidade da informação foi mais satisfatória entre homens e não houve tendência significativa a uma melhora, sugerindo sua estabilidade durante os 20 anos analisados. Foi encontrada preferência pelo dígito terminal 0 (zero) principalmente entre mulheres. Concluiu-se que os dados de óbito no Brasil, com relação à idade, são satisfatórios, podendo ser utilizados em análises demográficas e epidemiológicas.


Palavras-chave


Qualidade de dados; Índice de Whipple; Índice de Myers; Mortalidade; Sistemas de Informação

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v13i1.1599

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil