A dupla epidemia: febre amarela e desinformação

Cláudio Maierovitch Pessanha Henriques

Resumo


Esta nota apresenta um breve histórico da origem da febre amarela no Brasil, das medidas de controle e das dificuldades para que orientações de saúde pública cheguem à população. Nela analisam-se alguns episódios de geração de boatos, assim como informações mentirosas e suas consequências muitas vezes danosas. Aponta-se a necessidade de oferecer e divulgar fontes confiáveis para os profissionais e a comunidade, em especial por meio do fortalecimento das instituições e de suas áreas de comunicação social. Assinala-se também a importância do trabalho de campo das equipes de atenção básica para localizar pessoas expostas a risco, levando-lhes informações e vacinas.


Palavras-chave


febre amarela; epidemia; epizootia; fake news; boatos; desinformação; fontes confiáveis.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v12i1.1513

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil