Repositório biográfico: singularidades de um modelo promissor

Alex Medeiros Kornalewski, Leandro da Conceição Borges, Bruna Beltrão Belinato

Resumo


A Sociedade da Informação possibilitou o surgimento de novas ferramentas digitais, no qual suas metodologias são debatidas pelos seus pares cujo objetivo é aceitação pela comunidade científica. O Movimento de Acesso Aberto chancelou ao mundo dois dos seus principais pilares: os repositórios digitais (institucionais e temáticos) e os periódicos científicos. A presente comunicação se preocupa em discutir sobre o que se entende por “repositório biográfico”, inquietação que se originou a partir de um grupo de estudos oriundo do curso de Especialização em Informação Científica e Tecnológica em Saúde, do Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde, da Fundação Oswaldo Cruz no Rio de Janeiro. O procedimento metodológico aplica uma reflexão diante da literatura disponível sobre repositório, em relação aos preceitos estabelecidos pela memória. O trabalho pretende discorrer sobre as diferenças entre os repositórios institucionais e temáticos de forma a evidenciar as singularidades que promovem o conceito de repositório biográfico. Para tal, apoia-se nas áreas do conhecimento que abordam em seu contexto aspectos distintos de definição de documento, mas que convergem na finalidade de preservar e perpetuar a memória. Portanto, um repositório biográfico para ser conhecido como tal aplica elementos da Arquivologia, Biblioteconomia e Museologia, ainda que, as suas diferenças sejam evidentes. 


Palavras-chave


Repositório biográfico; Acesso aberto; Memória; Informação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v11i0.1415

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil