Experiência materna no cuidado do filho com paralisia cerebral: análise fundamentada na teoria de Roy

Patrícia de Farias, Andréa Carvalho Araújo Moreira, Ana Caroline Lira Bezerra, Maria Adelane Monteiro da Silva, Francisco Rosemiro Guimarães Ximenes Neto

Resumo


O objetivo do estudo aqui apresentado é descrever a experiência das mães de crianças com paralisia cerebral à luz da teoria de adaptação de Roy e identificar estímulos significativos assim como mecanismos de enfrentamentos no cuidado. Trata-se de um estudo descritivo com abordagem qualitativa. Participaram oito mães de filhos com paralisia cerebral, cadastrados na Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais - Apae de um município do Ceará. A pesquisa ocorreu entre abril e maio de 2014 e utilizou-se para coleta de dados a entrevista semiestruturada e, para análise, o método de categorização temática. A teoria permitiu reconhecer que as mães podem desencadear respostas positivas ou negativas mediante estímulos que giram em torno do diagnóstico do filho: impacto, sentimentos, contexto intrafamiliar envolvido no cuidado, conflitos, enfrentamentos. Concluiu-se que o enfermeiro deve objetivar, em seu trabalho, respostas adaptativas, minimizando as respostas ineficientes, de modo a obter a melhoria do cuidado prestado a mãe-criança e fortalecer o vínculo afetivo entre ambos.


Palavras-chave


Paralisia cerebral; Políticas públicas; Teoria de enfermagem; Adaptação; Cuidado da criança.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v12i4.1373

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil