'Herói ou humano?': a construção do imaginário médico nas séries americanas

Melina Meimaridis

Resumo


Este artigo busca analisar e discutir a construção dos profissionais de saúde nos seriados americanos, com o foco específico nos médicos. Defende-se que esses profissionais foram inicialmente construídos na televisão como heróis infalíveis devido à participação direta e indireta de instituições médicas. A revisão da literatura revela que esse modelo começou a dar sinais de desgaste nas décadas de 1970 e 1980, apresentando médicos passíveis de falhas, erros e até mesmo crimes. Argumentamos que as produções atuais, apesar de apresentarem profissionais ‘mais humanos’, continuam sendo influenciadas por organizações e instituições de saúde públicas e privadas, de modo a perpetuar um imaginário favorável do médico e da própria instituição. Para tanto, daremos atenção à recente participação da Hollywood Health and Society na ficção seriada televisiva.


Palavras-chave


televisão; ficção seriada; dramas médicos; instituição médica; representação; comunicação e saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v12i1.1333

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil