“Caiu, tchau e bença”: os sentimentos, comportamentos e soluções de idosos após a queda em residências unipessoais

Marcos Demetrius Barbosa, Tiago Franklin Rodrigues Lucena, Regiane Macuch

Resumo


Este artigo objetiva apresentar uma análise dos sentimentos e comportamentos de idosos que residem sozinhos pós-queda em casa e as soluções dadas por eles para evitar novos acidentes. Realizou-se uma pesquisa qualitativa com técnicas de observação participante, entrevistas e documentação em caderno de anotações, fotos, áudio e vídeos. A amostra é composta por dez idosos (quatro homens e seis mulheres) com idade entre 65 e 85 anos, residentes em domicílios unipessoais, que sofreram queda na residência nos últimos cinco anos. Cinco dos dez indivíduos entrevistados alteraram a configuração espacial da residência (adaptações e pequenas reformas) e os outros cinco declararam ter deixado de realizar a atividade que os levaram à queda. Todos destacaram um bom grau de autonomia na realização das atividades da vida diária (AVD), mas consideram a queda como um fenômeno inevitável e possuem conhecimentos sobre os riscos, a perda da autonomia e a possibilidade de não residir mais sozinhos foram citados como elementos de medo.


Palavras-chave


envelhecimento; quedas; residências unipessoais; soluções; promoção da saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29397/reciis.v11i3.1266

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil