Comparação da experiência de cárie em moradores de dois municípios brasileiros com e sem a fluoretação das águas de abastecimento público

Maria Paula Rando-Meireles, Fabricio Narciso Olivati, Decio Henrique Franco, Telmo Bittar, Tais Cristina Nascimento Marques, Maria da Luz Rosario de Sousa

Resumo


A fluoretação da água de abastecimento público é uma medida eficaz e de baixo custo para a prevenção da cárie dentária. Este artigo se baseia em um estudo que comparou a experiência de cárie entre dois municípios do Brasil, São Paulo e Manaus, na época, com e sem fluoretação de suas águas. O estudo utilizou dados do projeto SBBrasil 2010 que avaliou três índices para 2.176 indivíduos: ceo-d (dentição infantil com cárie, extraídos e obturados), CPO-D (quantidade de dentes cariados, perdidos e obturados em adultos) e SiC (Significant Caries Index, uma variação do CPO-D). Os resultados mostraram que os índices foram maiores em Manaus quando comparados com os de São Paulo, para indivíduos com 5 e 12 anos de idade e pertencentes à faixa de 15 a 19 anos. O município de São Paulo apresentou melhor condição de saúde bucal em crianças e adolescentes, e não houve diferença entre os índices para adultos e idosos, demonstrando que parte da população com acesso a água fluoretada foi beneficiada pelo método.


Palavras-chave


cárie dentária; fluoretação; epidemiologia; políticas públicas de saúde; saúde coletiva; avaliação de pesquisa em saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v10i4.1089

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil