Processo de readequação de um planejamento familiar: construção de autonomia feminina em uma Unidade Básica de Saúde no Ceará

Rayanne Branco dos Santos, Raíssa Mont'alverne Barreto, Ana Caroline Lira Bezerra, Maristela Inês Osawa Vasconcelos

Resumo


O estudo em que se baseia este artigo objetivou relatar a experiência na qual se processou a readequação do modelo de assistência ao planejamento familiar de uma Unidade Básica de Saúde (UBS) de um município do Ceará. Após discussão com a equipe de saúde da Unidade, foram entregues convites a mulheres em idade reprodutiva para que estas se fizessem presentes no novo modelo de planejamento familiar da Unidade. Assim, iniciou-se uma abordagem grupal acerca do planejamento familiar, com introdução de orientações acerca dos métodos contraceptivos e de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Após isso, havia um atendimento individual para o repasse de informações sigilosas e a prescrição do método de acordo com o consenso entre a paciente e a enfermeira. Verificou-se, assim, estreitamento no vínculo enfermeiro-paciente, além dos benefícios para a própria Unidade, visto que os atendimentos passaram a ser mais eficazes. Concluiu-se que os processos de educação em saúde são dinâmicos e que readequações são válidas, considerando-se as necessidades dos pacientes.


Palavras-chave


planejamento familiar; educação sexual; saúde reprodutiva; Estratégia Saúde da Família; doenças sexualmente transmissíveis.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v10i3.1074

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil