Movimentos especulativos em torno de bioindicadores de mídias e mudanças climáticas ou de como dar ao humano a mais intensa potência de existir

Susana Oliveira Dias, Carolina Cantarino Rodrigues

Resumo


O funcionamento das imagens, palavras e sons na comunicação faz parte do problema da impotência e da expropriação das forças criativas do humano que precisamos enfrentar com as mudanças climáticas. Ao reforçar a percepção de que imagens, palavras e sons são apenas descrições e representações de um mundo que está fora delas, as mídias estão implicadas na gravidade das alterações ambientais e das violentas lógicas que atravessam as relações dos humanos com a Terra, com as coisas-seres do mundo. Para interferir nesse contexto a partir de uma outra política da comunicação, a Sub-rede Divulgação Científica e Mudanças Climáticas, da Rede CLIMA, pesquisa experimentos interativos que visam explorar as potencialidades da comunicação com as mudanças climáticas enquanto uma questão vital. Trata-se de pensar como imagens, palavras e sons podem dar ao humano a mais intensa potência de existir através de novos modos de dizer, escrever e pensar.

Palavras-chave


Política; Comunicação; Ciências; Mudanças climáticas.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v9i4.1059

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil