Imaginário social sobre o SUS e vulnerabilidade de homens ao acesso a diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis

Neide Emy Kurokawa e Silva

Resumo


A partir do reconhecimento da importância das dimensões socioculturais e simbólicas no acesso dos homens ao diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis (IST), discute-se se e como suas concepções sobre o SUS podem vulnerabilizá-los na busca de cuidado, diante de suspeita de IST, tendo como referência a noção de imaginário social. Foram realizados quatro grupos focais, a partir dos quais foram apreendidos e analisados os discursos dos homens sobre possíveis locais em que procurariam ajuda, em caso de suspeita de IST. A imagem negativa que fazem do sistema público de saúde é construída a partir de referências que extrapolam suas vivências diretas, na qual a mídia parece ter um papel preponderante. À crítica do SUS, os planos de saúde privados emergem como solução redentora. A despeito da importância da participação social, essa noção não se fez presente nos discursos, levando à necessidade de melhor compreender e fomentar tal iniciativa.


Palavras-chave


Acesso; Infecções sexualmente transmissíveis; Memória coletiva; Imaginário social; Sistema Único de Saúde.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v10i1.1041

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil