“Você faz o que te faz feliz?” Então, “abra a felicidade”: as semelhanças entre as narrativas publicitárias e os relatos sobre trajetórias profissionais

Tatiana Oliveira Siciliano

Resumo


Este artigo propõe uma reflexão sobre como a categoria felicidade e a ideia de bem-estar estão entranhadas na lógica do consumidor moderno, a partir da comparação de 20 depoimentos sobre trajetórias profissionais de pessoas provenientes das camadas médias urbanas que mudaram de profissão, narrativas publicitárias e happy ending de telenovelas. Minha hipótese é de que existem semelhanças entre as narrativas dos que mudaram intencionalmente de profissão e a lógica do consumidor, pois o consumo pode ser visto como um configurador de identidades. As metamorfoses nas profissões aspiram a experiências mais autênticas e à conquista da felicidade e do bem-estar. Assim, além de prover o sustento, o trabalho deve ‘expressar os próprios trabalhadores’.


Palavras-chave


Trajetórias profissionais; narrativas individuais sobre felicidade; propaganda em televisão; subjetividade; consumo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v10i2.1003

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil