As guerras do Rio: mídia, favela e militarização do cotidiano

Carla Baiense Felix

Resumo


Este trabalho analisa o uso da expressão Guerra do Rio como elemento estruturante das narrativas jornalísticas sobre o tráfico de drogas de varejo nas favelas do Rio de Janeiro. A partir de reportagens publicadas em dois jornais cariocas – O Globo e Jornal do Brasil -, em dez diferentes anos, ao longo de quatro décadas (dos anos 1980 a 2010)i, busca-se recuperar as condições de emergência desta representação e os sentidos postos em circulação, bem como problematizar suas consequências. Utilizando a teoria da agenda (Mc Combs e Shaw) e a análise do enquadramento (Entmann) pretendemos compreender como a construção de uma cidade em guerra nos discursos jornalísticos influenciou a agenda pública em diferentes períodos, justificando a militarização do cotidiano da população moradora de favelas, submetendo-a a uma sociabilidade violenta (Machado da Silva).


Palavras-chave


Guerra do Rio; Rio de Janeiro; O Globo; Jornal do Brasil; Favela; Cotidiano; Teoria da Agenda; Enquadramento; Segurança Pública; Militarização.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29397/reciis.v11i3.1426

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




e-ISSN 1981-6278 

Icict - Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica em Saúde

Fundação Oswaldo Cruz | Ministério da Saúde
Av. Brasil, 4365 | Pavilhão Haity Moussatché | Manguinhos | CEP 21040-900
Rio de Janeiro | Brasil